Insônia traz problemas de baixa produtividade. Saiba como tratar.

Baixa Produtividade

Problemas de sono interferem na qualidade de vida e estão entre as principais causas de baixa produtividade. Dentre eles, a insônia é o principal e caracteriza-se por uma dificuldade para iniciar ou manter o sono, desde que existam condições ideais para dormir.

Fatores externos, como excesso de ruídos, de iluminação, muito calor ou muito frio, podem causar a insônia. Fatores psicológicos também podem comprometer o sono, como preocupação e estresse. Má alimentação, consumo de álcool e/ou café antes de dormir e excesso de peso também atrapalham o sono. Além disso, uma série de doenças clínicas (relacionadas à tireoide, ao coração, pulmão) mas principalmente as neuropsiquiátricas podem levar à insônia (ansiedade, depressão, doenças neurológicas).

A insônia pode causar sonolência excessiva diurna, mau humor, fadiga, falta de atenção, dificuldade para retenção de informações novas, queda de produtividade, entre outros. Outro problema menos conhecido e relacionado à insônia seria o de alterar o sistema imunológico, pois a privação de sono pode interferir na resposta de um indivíduo de formar anticorpos após a aplicação de uma vacina.

Ela passa a ser um problema mais sério quando há impacto significativo nas atividades de vida diária, interferindo no funcionamento do indivíduo, alterando o seu humor e levando à sonolência excessiva diurna.

Ela ocorre mais em mulheres e tende a piorar com a idade, sendo muito comum após os 50 anos.

Existem dois tipos de insônia: a insônia inicial é a dificuldade para iniciar o sono e a insônia de manutenção é a dificuldade para mantê-lo. O que diferencia qualquer insônia de uma “dificuldade” para dormir é o fato de a insônia levar a um comprometimento funcional, prejudicando as atividades de vida diária do indivíduo.

Para tratar a insônia, é importante primeiro seguir as seguintes dicas, conhecidas como “higiene do sono”:

– criar uma rotina para dormir

– controlar som, luz, temperatura, cama, travesseiro

– evitar café ou bebidas com cafeína 4 a 6 horas antes de deitar

– evitar exercícios físicos intensos antes de deitar

– usar a cama apenas para dormir

– procurar um médico quando as medidas comportamentais não estiverem funcionando.

A seguir, em persistindo a insônia, é importante procurar um médico especialista. Existem diversas medicações que podem ser prescritas, com cautela, para auxiliar no sono.

Fonte: Terra

Dr. André Felicio, neurologista, doutor em ciências pela UNIFESP, membro da Academia Brasileira de Neurologia, pós-doutor pela University of British Columbia, no Canadá, e médico pesquisador do Hospital Israelita Albert Einstein (CRM 109665).